terça-feira, 22 de julho de 2014

Caros Leitores


O tempo passou e eu fiquei sem saber o que escrever. Escrevia desde criança, jovem e até o começo da idade adulta. Veio a internet, o advento de um universo através do clique e a possibilidade de montar um site próprio. Daí nasceu minha primeira viagem na rede, um site. Escrevia sobre diversas coisas e na maioria delas o humor estava carregado. Tão carregado que deixava o conjunto da obra com ar de inocente, textos derretidos por um humor juvenil.

Mais tarde veio a onda dos blogs e a criação desse que vos falo. Por mais de sete anos publiquei algumas de minhas "densas" poesias, contos e crônicas. Estava indo bem até que decidi novamente carregar o humor. Exagerei, errei a mão e estraguei tudo de novo. Já deveria ter aprendido a lição, mas...

As postagens foram se tornando gradativamente mais escassas. Não havia um padrão ou parâmetro, simplesmente um punhado de conteúdo sem sentido. Veio a intensificar essa confusão o agravante: cursar uma graduação de humanas. Tornei-me meu maior crítico. Rever as postagens e indignar-se era fato. Logo após a publicação vinha um arrependimento indescritível de que havia escrito bobagens. Bobagens, bobagens... Isso resume os sete anos dedicados aos poucos leitores do blog. Pior, haviam leitores. Poucos e que são passíveis de contagem nos dedos. Pior ainda, de apenas uma mão!

Enfim, com o passar de quase uma década nós amadurecemos. Eu, você e até aquele cara chato que nunca parece "crescer". Afinal, seriam meus textos péssimos? Meu julgamento estaria correto e absoluto? Não tenho a mínima ideia. Só sei de uma coisa: quero começar de novo. Sim, a escrita amadurece junto com quem a escreve. E se ela não for boa o suficiente? Erros gramaticais ou falta de coesão? TUDO isso pode acontecer, porém a intenção foi verdadeira.

O que vou escrever? Estive pensando em crônicas. São rápidas e não muito rebuscadas. Ou seja, são possíveis.

Espero não decepcioná-los mais uma vez. Alô, tem alguém aí? Acho que vou escrever umas piadas. Humor, quem sabe...

FIM.